A todos, Namaste!

 

Muitas Tradições Buddhistas não têm Cerimônia de Casamento! Na Tailândia o  Budismo Theravada não faz casamentos e os tailandeses, buddhistas ou não, se casam dentro de um antigo ritual da seita mística da Tailândia, que nada tem a ver com Buddhismo.

Já os buddhistas do Sri Lanka, após assinarem o livro do casamento civil, procuram um templo para uma Cerimônia de Casamento Buddhista.
Nas Tradições Mahayana, a maioria dos BUDDHISTAS japoneses opta por um casamento CATÓLICO! Eles se inspiram nos filmes ocidentais e simplesmente imitam a cerimônia, sem nem saber algo sobre Catolicismo. Os japoneses costumam dizer que quando alguém nasce, segue o ritual do Xintoísmo, pedindo que os deuses e amuletos garantam uma vida de riqueza e prosperidade, ao se casar são Católicos por causa da bonita cerimônia na igreja e antes de morrer são Buddhistas, para garantir um bom renascimento!!
Com tudo isto, fica bem claro que não existe realmente um Casamento Buddhista como tradição mas sim OPÇÃO!

Minha proposta, ao querer realizar o BIWÁHA (a palavra é em Nepalês) é dar a todos os que se amam e querem oficializar esse sentimento, uma oportunidade de fazer uma cerimônia bonita, significativa e abrangente, já que no Buddhismo não faz diferença alguma se as pessoas são divorciadas, ou do mesmo sexoTodos têm igual direito à felicidade conjugal e portanto, ninguém precisa ser Buddhista ou se tornar Buddhista para ser casado por mim.

O Biwáha não é uma cerimônia grátis. Nem por isso pretendo extorquir os interessados em se casar, nem deixar de casar os que não têm condições financeiras.

Há uma tabela para a Cerimônia que poderá ser realizada no local que os noivos definirem, desde que cubram as despesas de meu transporte de ida e volta, de carro e, os que não puderem pagar, terão a chance de negociar outras formas – doação de mantimentos ao Vihara (templo) ou parcelamento são duas boas alternativas.
Obviamente, eu vou explicar aos interessados sobre os Ensinamentos do Buddha e sobre a importância da ética e moralidade numa vida conjugal. Também é claro que o futuro casal não vai comemorar com bebidas alcóolicas após o Biwáha. Tudo tem que ser dentro dos princípios do Buddhismo.

Aqui segue, passo a passo, a explicação da Cerimônia de Casamento Buddhista:

 

  • Vara Satkaarah – Recepção do noivo e a noiva com seus padrinhos, no portão do salão matrimonial, onde o oficiante recita mantras e a mãe da noiva os recebe jogando arroz e aplicando o SINDUR (ponto vermelho na testa) nos dois.
  • Cerimônia Madhuparka – Recepção dos noivos no altar e entrega dos presentes, pelo pai da noiva.
  • Kanya Dan – Enquanto o oficiante recita textos das Escrituras, o pai da noiva a entrega ao noivo.
  • Vivah-Homa – É aceso o fogo sagrado, para garantir bons votos, pureza e espiritualidade.
  • Pani-Grahan – O noivo pega a mão direita da noiva com a mão esquerda e a aceita como esposa.
  • Pratigna-Karan – O casal anda ao redor do fogo, a noiva na frente, e fazem os votos de lealdade, amor crescente e fidelidade para o resto da vida.
  • Shila Arohan – A mãe chama a noiva a um canto e dá a ela os últimos conselhos para a nova vida.
  • Laja-Homah – Arroz é jogado dentro do fogo sagrado, pela noiva, enquanto a palma de sua mão permanece sobre a palma da mão do noivo. Isto simboliza que ela tem a obrigação de alimentar o Dharma (Ensinamento do Buddhismo) em sua nova família.
  • Parikrama ou Pradakshina ou Mangal Fera – O casal dá os SETE PASSOS em volta do fogo do Dharma. A ponta do cachecol do noivo amarrada pelo oficiante ao cachecol da noiva. Ambos repetem as promessas lidas pelo oficiante.

 

SÁPTHA PÁDHI

(OS SETE PASSOS DO CASAMENTO)

 

1 – FAZEMOS O VOTO DE PROVER NOSSA FAMÍLIA COM UMA ALIMENTAÇÃO SADIA E CORRETA.

 

2 – FAZEMOS O VOTO DE VIVER UMA VIDA PURA, BUSCANDO O CULTIVO MENTAL.

 

3 – FAZEMOS O VOTO DE NOS MANTERMOS DE ACORDO COM UM MEIO DE VIDA CORRETO.

 

4 – FAZEMOS O VOTO DE CULTIVARMOS A SABEDORIA, O AMOR MÚTUO E A CONFIANÇA.

 

5 – FAZEMOS O VOTO DE MANTER NOSSOS FILHOS FORTES E VIRTUOSOS.

 

6 – FAZEMOS O VOTO DE VIVERMOS DENTRO DO COMEDIMENTO E CONTENTAMENTO, EVITANDO A GANÂNCIA

 

7 – FAZEMOS O VOTO DE CULTIVAR O COMPANHEIRISMO E A AMIZADE EM NOSSA VIDA CONJUGAL.

  

  • Abhishêk – Água benta jogada pelo oficiante, enquanto os noivos meditam sobre o Sol e a estrela polar.
  • Anna Praashan – O casal faz oferenda de alimento ao oficiante e servem um ao outro um pedaço de pão, simbolizando o compromisso de cuidarem um do outro, para que nada lhes falte.
  • Aashirvadah – Benediction by the elders.
  • Aashirvadah – Benção dos pais. Os pais abençoam seus filhos, encerrando a Cerimônia de Biwáha.

*Fogo – Enquanto que, no casamento Hindú o fogo representa o deus Aggi (Águi), no Buddhismo ele passa a ser símbolo do Dharma (O Ensinamento do Buddha), e as voltas em torno dele são o caminho do casal, sempre guiado pela Luz do Ensinamento do Buddha.

 

भन्ते सुनन्थो

Bhantê Sunanthô Bhikshú