नमस्ते!

Um dos Preceitos para quem quer seguir os Ensinamentos do Buda diz que não devemos ingerir qualquer substância que possa alterar o estado puro e natural de nossa mente. Na verdade, é uma recomendação que deveria ser seguida por todos, não só por Budistas.
Algo que não concordo é a famosa definição que a maioria das pessoas usa para justificar o consumo de bebidas alcóolicas: “Eu bebo SOCIALMENTE”… Ora, ora, caros leitores… Acho isso uma grande tolice! Há milhares de anos o ser humano, em todos os cantos do mundo, vem usando substâncias intoxicantes, principalmente o álcool e bebidas fermentadas para alterar o funcionamento da mente e fazer todo tipo de coisas erradas: euforia, orgias, infidelidade sexual, acidentes, violência urbana e doméstica, atos inconsequentes, crimes passionais e até assassinatos. A isto se chama “beber socialmente”?? Será mesmo que a Sociedade precisa do álcool, isso sem mencionar os tantos outros tipos de drogas?
As pessoas acham que têm que beber para relaxar, para descontrair, para aliviar a tensão após um dia cansativo ou uma semana de trabalho. Também acham que não tem graça assistir uma partida de futebol sem tomar cerveja. O consumo de álcool se torna quase que inseparável de qualquer comemoração. TODO evento social tem que ter bebidas alcóolicas, e, mesmo que o organizador do evento não beba, por medo de desagradar os convidados, acaba servindo álcool… Triste isso!
Antes de conhecer o Budismo e começar a praticá-lo eu costumava beber e não foram poucas as vezes que me excedi, passei em muito do limite. Também não foram poucas as tolices que fiz por causa das bebidas, portanto, não pensem que falo como um puritano moralista que nunca bebeu e não sabe nada do assunto!
O fato é que nunca conheci alguém que enchesse o primeiro copo com a intenção específica de ficar bêbado! Todo mundo bebe “SÓ PARA”… só para relaxar, só para criar coragem, só para comemorar… E é justamente aí que se perde o limite, que se perdem a pureza da mente e o controle das atitudes.
Quem permanece sóbrio não acha graça nenhuma nas tolices e inconveniências de quem bebe. Não tem nada de divertido em levar um amigo bêbado para casa, nem em ver alguém vomitar no assento do carro. Só quem é acordado no meio da noite para tirar um filho da delegacia ou para receber a notícia de que ele está no hospital sabe que beber “socialmente” é uma grande tolice, uma “desculpa esfarrapada” para justificar uma fraqueza desnecessária.
É fim de ano e época do aumento do consumo de álcool e de drogas. Meu apêlo é para que as pessoas reflitam sobre esta matéria e tentem celebrar as Festas de Fim de Ano em paz e harmonia, sem álcool, sem intoxicantes. Sem alterarem a pureza do estado mental, com certeza, tanto o Natal quanto o Ano Novo serão muito mais felizes!

Namaste!

सुनन्थो भिक्षु
REV. SUNANTHÔ BHIKSHÚ

“Se você, leitor, gosta dos Ensinamentos contidos neste Blog e acha que lhe são úteis no cultivo mental, considere fazer uma doação, mesmo que seja pequena, para ajudar na divulgação do Buddhismo Theravada Brasileiro. Os dados da conta se encontram no Blog.”