A todos, Namaste!

Mais do que um simples Blog para transmitir os Ensinamentos do Buddha, o THERAVADA FOR ALL tem o objetivo de forma seguidores brasileiros dentro das normas do BUDDHISMO THERAVADA BRASILEIRO, que vem sendo desenvolvido por mim, a fim de que nosso povo possa praticar a Tradição Original Budista de forma compatível ao modo de ser do povo brasileiro. Assim, é necessário que, aos poucos, todo mundo vá aprendendo algumas regras básicas e características do Buddhismo, que já vêm sendo seguidas em todos os países onde o Budismo Theravada é praticado, não somente na Ásia mas também em vários países europeus, nos Estados Unidos etc. Vamos a alguns exemplos:

1 – Nós monges cumprimentamos as pessoas unindo as palmas das mãos, à altura do peito e, eventualmente, dizendo “NAMASTÊ”, que significa algo como: “O que há de sagrado em mim, presta respeito ao que há de sagrado em você!” As pessoas leigas (seguidores que não são monges ou monjas) devem usar o termo “NAMASKÁR” para o monge, usando “namastê” somente para outros leigos. Isto porque “Namaskár”, que tem o mesmo significado, é mais respeitoso e, portanto, dito para pessoas de mais idade ou por quem demonstramos maior respeito. Então, os leigos dizem “Namaskár” para nós monges e nós respondemos com “Namaste”… Caso você não queira usar essa expressão, pode dizer: “Vandaná!”, que também é uma saudação respeitosa. Usa-se a mesma forma de unir as palmas das mãos.

Muitas pessoas não sabem como se dirigir a nós monges para manter uma conversação… Você? Senhor? Venerável? Reverendo? Monge? Mestre? Que termo deve ser usado para conversar com nós monges? Há várias opções e você se sairá bem se escolher qualquer uma delas. Vejamos:

O termo VENERÁVEL é bastante formal e deve ser usado somente por pessoas que acharem que o monge é digno de veneração… Como não é popular no Brasil, não muitas pessoas usam este termo.

MESTRE é um termo que só deve ser usado por noviços sob treinamento de um monge ou seguidores diretos, que tenham se tornado buddhistas sob a orientação direta de um de nós monges. Seguidores do Buddhismo em geral, principalmente de outras Tradições, não devem se referir a todos os monges como “mestre”.

Dirigir-se a nós monges com VOCÊ é extremamente desrespeitoso, não só na Ásia, mas também na Europa e nos Estados Unidos. O correto, dentro dos padrões aceitos no mundo todo, é usar SENHOR como forma de tratamento.

Da mesma forma, nunca se deve chamar um de nós monges apenas pelo primeiro nome. Mesmo entre nós monges, nós JAMAIS chamamos uns aos outros assim! Sempre usamos REVERENDO Fulano ou VENERÁVEL Sicrano quando conversamos, a menos que sejamos amigos íntimos e que essa liberdade nos tenha sido dada! Somente o Abade do Templo chama todos os monges pelo primeiro nome e, portanto, como fui treinado na Ásia, soa bastante estranho para mim quando alguém aqui no Brasil me chama pelo primeiro nome…

BHANTÊ (se pronuncia B´Hantê) é o termo mais educado, correto e usado na Ásia para chamar a nós monges! A palavra significa “Venerável Senhor” e é conhecida por todos que praticam Buddhismo no mundo todo! Para quem tem dificuldade na pronúncia, simplesmente VANTÊ é bom o bastante e o modo como dizem no Nepal, país ao qual meu templo é afiliado, portanto, tudo fica perfeito! Assim, o modo mais correto e educado para se dirigir a um monge é: “Bhantê, Vandaná!” ou “Vantê, Vandaná!” ou ainda “Bhante (ou Vantê), Namaskár!” sempre com as palmas das mãos juntas, à altura do peito e, se possível com um sorriso sincero, vindo do coração!

Demonstrar respeito não dói, não é vergonha, não machuca quem pratica e, com certeza é uma grande prática de humildade, simpatia e cultivo mental, portanto, pense nisto com carinho e, talvez, quando nos encontrarmos pessoalmente, poderemos nos cumprimentar no bonito modo buddhista!

Fiquem todos em Paz e protegidos! AAh e… NAMASTE!!