(DEAR READER, IF YOU WANT THIS OR ANY OTHER ARTICLE TRANSLATED INTO ENGLISH, JUST LET ME KNOW AND I´LL BE GLAD TO TRANSLATE IT FOR YOU!)

A todos, Namaste!

Muita gente me procura porque quer aprender Meditação. Querem acalmar a mente, resolver seus problemas com urgência, “parar de pensar”, “esvaziar a mente” e tantas outras definições que encontram para Meditação, desde que todas sejam IMEDITAS, INSTANTÂNEAS! Angustiadas com suas ansiedades, neuroses e pânicos, querem a meditação como uma cura milagrosa, a curto prazo, afinal – “tempo é dinheiro!” e quem não gosta de dinheiro?? Nas palestras sobre Meditação, sempre verifico que muita gente é “ex-meditador” ou já tentou meditar várias vezes, mas nunca deu continuidade. As pessoas esperam resultados imediatos de algo que é um exercício de paciência e continuidade. Ansiosas por obter tudo de imediato, se decepcionam. Não sabem nem que existe um processo do qual a Meditação é apenas uma parte. Querem ver mudanças drásticas em suas vidas após um fim de semana num workshop qualquer sobre Meditação ou após assistirem algum programa onde ela foi mostrada, afinal, o tema está bastante em moda…

Quando perguntado se poderia definir seu Ensinamento em uma única frase, o Buddha, Sábio como sempre, respondeu com toda naturalidade. Ele não disse “Medite, e pronto!” Sua definição foi bem clara: “Evitar todo o mal, praticar somente o bem e manter pura a própria mente!” Disse mesmo que este é o Ensinamento de TODOS OS BUDDHAS, deixando claro que não se tratava só de uma opinião pessoal sobre o Caminho a ser praticado! Portanto, quem busca resultados imediatos, pensando que praticar Buddhismo é como comer num “fast food”, onde tudo já está pronto e é só engolir e ir embora, vai se decepcionar – Buddhismo é um longo e perseverante treinamento disciplinar para domar a rebeldia e desmandos da mente!

“Evitar todo o mal”, como o Mestre recomendou, significa dar início a um processo de PURIFICAÇÃO DA MENTE. Isto significa a prática dos CINCO PRECEITOS (procure neste Blog quais são eles), o profundo entendimento deles e o início imediato da vivência, no dia a dia. O exemplo que sempre uso em minhas palestras por aí, é o seguinte: Suponhamos que você tenha esquecido uma torneira aberta quando saiu de casa. Ao voltar, sua casa está inundada, com água pela casa toda. Será que a primeira providência é pegar o rodo e um pano e começar a secar a casa? Não! Claro que não! A primeira coisa a ser feita é FECHAR A TORNEIRA, ou sua tentativa de secar o chão será inútil… Uma vez que a torneira esteja fechada, aí sim, poderá se ocupar de puxar a água para o ralo mais próximo.

O mesmo acontece na prática do Buddhismo. O passo inicial do processo é PARAR DE FAZER COISAS ERRADAS. Deixar de consumir álcool e drogas, parar de usar linguagem suja – palavrões e gírias sujas, vulgaridades, uso inútil do tempo com tagarelice etc.  Seguir à risca os Cinco Preceitos, sem exceções e sem indulgência é o melhor método de Purificação Mental.

Com a “torneira de mau karma” devidamente fechada, o praticante está pronto para a operação “limpeza da casa”, ou seja, da mente. Praticando boas ações (bom karma), o trabalho fica mais fácil e minimiza o impacto de maus karmas praticados em vidas anteriores e que ainda estão por surtir efeito nesta existência. Fazendo isto, estamos seguindo exatamente a definição do Buddha, portanto, o sucesso é infalível.

A etapa seguinte sim, é a Meditação! Após pararmos de produzir mau karma e, com o bom karma nos ajudando a PURIFICAR A MENTE, entra a Meditação, como fortalecedora de nossa prática.  Estaremos então num trabalho cíclico: quanto mais purificamos a mente, mais teremos disposição e vontade para meditar. Quanto mais meditarmos, mais teremos clareza de visão para darmos continuidade à prática de bom karma e estaremos assim evitando as más ações…

A Meditação, por si só, não pode purificar a mente. Ela fortalece e estabelece a clareza obtida através da firme decisão de praticarmos os Ensinamentos do Buddha, o DHARMA. Não é uma questão de pressa, não é algo que se obtém da noite para o dia, nem num workshop de fim de semana, não importa o quanto o monge palestrante seja competente e sério.

A prática do Buddhismo é um firme compromisso pessoal e intransferível. Se seguirem o processo, etapa por etapa, do modo como o Buddha aconselhou, aí sim, a prática da Meditação será válida, poderosa e objetiva. Tudo o que obtivermos dela será um “efeito colateral”, não um objetivo. Pratiquem desta forma e, com certeza atingirão o resultado de uma vida melhor, mais saudável e conduzente à Iluminação.

Fiquem todos em Paz e protegidos!

सुनन्थो भिक्षु

Rev. SUNANTHÔ BHIKSHÚ