A todos, Namaste!

No dia em que se comemora, no Brasil, a Libertação dos Escravos, quero prestar minha homenagem a um monge Theravada africano, especificamente de Uganda, que se tornou meu amigo quase sete anos atrás, quando nos conhecemos no Japão. Seu nome é Venerável BUDDHARAKKHITA (significa “protetor do Buddha”) e, como veremos, tem uma forte ligação com nosso país…

O Venerável Buddharakkhita, quando ainda leigo, veio ao Brasil como instrutor de mergulho, atividade que costumava praticar, não somente como hobby mas como meio de vida para viajar pelo mundo. Ficou fascinado pelo Rio de Janeiro e visitou outras cidades da Região dos Lagos. Naquela época, chegou a ensaiar algumas palavras e expressões em nosso idioma e nem sonhava que se tornaria um monge buddhista, muito menos poderia pensar no quanto se tornaria importante!

Em suas viagens, acabou chegando à Índia onde teve seu primeiro contato com o Buddhismo, nas Tradições Tibetanas, mais populares naquele país. Foi lá que começou sua orientação, chegando mesmo a ter uma entrevista com Sua Santidade o Dalai Lamá. Porém, quis a Lei do Karma que o jovem ugandense prosseguisse em sua jornada dentro das Tradições Buddhistas e, foi em Mianmar (antiga Birmânia, no sudeste asiático) que ele encontrou a Tradição Theravada, sendo orientado por grandes mestres do Buddhismo Original. Assim, completou seu treinamento e recebeu a Ordenação Superior como monge Theravada, a mesma tradição que eu sigo.

(Juntos, no Japão) (Representando Uganda no WBSSC)  (A primeira Monja ugandense)

Foi em 2006 que tivemos nosso primeiro contato. Eu fui convidado a ir a Kobe – Japão, representando o Brasil num “Encontro de Países Onde o Buddhismo Ainda é Novo” e lá estava um monge de cada país: da Suíça, Indonésia, Croácia e, representando Uganda, o Ven. Buddharakkhita.

Com um sorriso largo e branco, sempre visível em seu rosto muito negro, fica fácil para o monge africano fazer novas amizades…  O venerável ugandense é extremamente simples, muito educado, algo tímido e chega a um grau de otimismo e ingenuidade dignos da personagem Poliana! Ele tem grande conhecimento dos Preceitos Monásticos e faz questão de levar, por onde quer que vá, o leque cerimonial – TALAP´HÁT, o que é sempre motivo de gozações dos outros monges, que consideram tal hábito muito conservador.

Mesmo nas situações mais óbvias de corrupção, violência, injustiça e desonestidade do mundo, o Venerável Buddharakkhita sempre encontra algo de bom, de esperançoso e virtuoso nas piores personalidades mundiais. Esta é, talvez, sua maior virtude, embora chegue a tirar a paciência de algumas pessoas menos compassivas.

Atualmente vivendo na BHÁVANA SOCIETY, um importante e conhecido mosteiro e centro de Dharma fundado pelo famoso monge veterano, Venerável Grande Mestre WENEPÔLA GUNARÁTNA , do Sri Lanka, o Venerável Buddharakkhita vem de vez em quando ao Brasil para dirigir Retiros de Meditação. Também viaja muito pela Ásia, sendo sempre muito bem recebido na Tailândia.

Suas histórias sobre as dificuldades de implantar o Buddhismo em Uganda são uma mistura de comédia e drama, sempre contadas com detalhes e de modo cativante por ele mesmo e também em sua auto-biografia, publicada em Inglês e Mandarim. No início de sua missão em seu país natal, o Venerável Buddharakkhita chegou a morar debaixo de uma árvore, afastado da cidade, contando apenas com uma espécie de tenda como moradia. Passou fome, despertou medo nos ugandenses por causa de seu manto vermelho que, julgaram eles, se tratar de algum tipo de feiticeiro praticante de vudú…

Atualmente, com um reconhecimento cada vez maior em Uganda e nos países buddhistas, o monge ugandense já conseguiu fundar seu próprio templo que, embora pequeno e humilde, vem recebendo um crescente número de seguidores. No altar, uma interessante imagem, presente do Reino da Tailândia, de um BUDDHA NEGRO, com feições tipicamente africanas! Nada podia ser mais bonito para representar o continente africano e a introdução da Tradição Theravada em Uganda!

Mais do que simplesmente conquistar seguidores do Buddhismo, o Venerável Buddharakkhita implantou os Ensinamentos do Buddha no coração de sua mãe que, a pedido dele, recebeu Ordenação Monástica, tornando-se a primeira monja Theravada em Uganda e talvez em toda a África!

Com tantos exemplos de dedicação e serviços prestados ao Buddhismo, nada mais justo que homenagear este monge negro africano nesta data tão significativa e tão pouco lembrada no Brasil. Ao Venerável Buddharakkhita, meu respeito e sincera amizade!

Fiquem todos em Paz e protegidos!

सुनन्थो भिक्षु

Reverendo SUNANTHÔ BHIKSHÚ