(DEAR READER, IF YOU WANT THIS OR ANY OTHER ARTICLE TRANSLATED INTO ENGLISH, JUST LET ME KNOW AND I´LL GLADLY DO IT FOR YOU!)

A todos, Namaste!

Hoje, sexta 20 de maio, uma conceituada emissora de TV vai mostrar as belezas do BUTÃO, um pequeno Reino Buddhista entre a Índia e a China, escondido no alto dos Himalaias. Nunca estive lá e, não nego: vou assistir o documentário. Do Butão, só conheço uma das Princesas, que comparece a todas as edições da Conferência Buddhista Mundial, onde eu represento nosso país. Também sei que é uma das poucas nações do mundo que não têm relações diplomáticas com o Brasil! (além do Butão, somente Taiwan e a República Centro-Africana, antigo Congo…). Bem, não é sobre a realeza do Butão nem sobre diplomacia que quero tratar nesta matéria…

No Butão é praticado o Buddhismo Tibetano que, por si só é sub-dividido em, pelo menos, CINCO TRADIÇÕES diferentes, com pequenas variações na prática. Soma-se a isto, centenas de fatores meramente culturais de cada nação onde o Buddhismo se estabeleceu. Assim, é possível dizermos que o Buddhismo Tibetano butanês tem características que o diferem DA MESMA TRADIÇÃO TIBETANA quando praticada na Índia ou no vizinho Nepal! Isto porque cada país tem suas particularidades, costumes e diferenças culturais.

Se isto é um fato dentro de uma mesma Tradição, no caso TIBETANA, imaginem o que acontece quando observamos tradições que já são bastante distantes e diferentes entre si, como o Buddhismo Theravada e o Tibetano? Vejam bem, não estou criticando, julgando ou afirmando o que é certo ou errado… Apenas alertando para que não seja GENERALIZADO, tomado como uma verdade absoluta o que hoje será mostrado na mídia.

Simplesmente pelas chamadas ao longo da semana, já sabemos que mostrarão o “batizado” de uma criança, cujo nome é escolhido pelo monge, de acordo com suas vidas passadas e futuras! Não ficarei surpreso se amanhã ou depois alguém me abordar na rua pedindo que eu faça o mesmo com seu filho recém-nascido! Ocorre, no entanto, que NADA DISSO EXISTE na Tradição Theravada e, mesmo que existisse eu nem saberia como fazer tal tipo de ritual!

Imagino que muitos outros hábitos, costumes e crenças da cultura butanesa tenham sido incorporados ao Buddhismo Tibetano local e serão mostrados no programa desta noite. É muito importante que os expectadores não generalizem, formando falsos conceitos e saiam por aí dizendo: “OS BUDDHISTAS vêem as vidas passadas e futuras das pessoas…” ou “BUDDHISTAS LÊEM A SORTE das pessoas.” ou ainda: “BUDDHISTAS SÃO SUPERSTICIOSOS!”

Se já existe uma aura de mistério e obscuridade em torno do Buddhismo e as pessoas generalizarem o que a mídia mostra sem o devido esclarecimento,  a grande maioria da audiência, desavisada,  continuará misturando informações, colhidas daqui e dali e as tomando como um todo.

O ideal seria que a própria mídia tomasse o cuidado de fazer o alerta que estou tentando nesta matéria. Como sei que isto não acontecerá, segue esta mensagem, que agradeço muito se puder ser repassada a fim de esclarecer ao maior número possível de pessoas.

Fiquem todos em Paz e protegidos!

सुनन्थो भिक्षु

Reverendo SUNANTHÔ BHIKSHÚ