A todos, Namaste!

Meus seguidores mais antigos sabem que poucas, muito poucas vezes, dou opinião publicamente sobre temas que envolvem decisões ou atitudes tomadas pelo Governo. Não é que eu não tenha uma visão política a respeito dos fatos, mas sim por não caber a mim, enquanto monge, levantar bandeiras PTistas, PMDBistas ou quaiquer outras letras… Um monge não deve se envolver com política e isto não é uma posicionamento pessoal, mas uma DETERMINAÇÃO do próprio Buddha!

Acontece, porém, que determinados fatos não devem passar sem uma opinião minha, por se tratarem não de política mas do SER HUMANO como parte diretamente envolvida e todo ser humano é relevante para um monge buddhista. Assim sendo, quando o assunto é uma EPIDEMIA que já atinge mais de UM MILHÃO de pessoas em meu próprio país, não há como ficar calado diante dos fatos e é por isto que resolvi redigir esta matéria com meu posicionamento.

Ontem, assistindo o noticiário da noite, vi uma matéria na qual as autoridades recolhiam em onibus especiais os usuários e frequentadores das muitas “cracolândias”, locais onde usuários em condições de degradação da espécie humana perambulam como zumbis do mais surrealista filme de terror! A matéria noticiou que, por decisão do Governo do Rio de Janeiro, a partir de agora os frequentadores do local serão submetidos a uma triagem e, querendo ou não, ficarão em abrigos especiais onde serão submetidos a tratamento médico até se curarem do vício.

Na mesma matéria, foi entrevistada uma elegante senhora, socióloga por profissão, que se posicionou contrária à decisão das autoridades, alegando que antes de tomar-se uma medida drástica como essa, as FAMÍLIAS DOS VICIADOS DEVERIAM SER PROCURADAS… Ora, ora, minha cara socióloga!!! A mídia vem mostrando com frequência os mais terríveis casos de usuários que, literalmente devastam suas famílias por causa desse maldito CRACK! Jà vimos na TV até mesmo o caso de uma mãe desesperada que, sem outra alternativa, chegou a construir em sua casa uma cela, com portas de grade, onde, INUTILMENTE, tentou manter prisioneiro o próprio filho, mantendo-o longe da droga.

Muitas são as famílias que, APAVORADAS, esperam que seus entes queridos NUNCA MAIS apareçam, pois, toda vez que voltam para casa é para usar de violência, roubando e espancandoos familiares até conseguirem dinheiro para comprar a droga. Devemos ter em mente que a EPIDEMIA DE CRACK está se espalhando rapidamente, fugindo do controle da polícia e sem chance de ser vencida, a menos que algo rápido e drástico seja feito.

Quando uma situação chega a ponto de sair do controle, não é mais hora de lúdicas reuniões familiares onde calmamente o viciado retornará ao seio familiar… Passamos da hora de agir com este tipo de terapia. Não é uma de gripezinha de verão que estamos falando aqui! Tampouco adianta usarmos parâmetros europeus, métodos usados em países de população mínima e padrões sócio-educacionais muito mais civilizados que os nossos para dizer que podem ser aplicados num ambiente de degradação, de condições subumanas como as que temos visto em vários pontos do nosso país!

Me desculpe, cara socióloga, mas a senhora não gostaria de ter em casa a visita de um familiar recém-chegado da cracolândia! Pode ter certeza de que ele estará bem melhor num abrigo do Governo, bem longe de sua carteira e de suas jóias… Se a família puder visitar e dar apoio, CLARO,  será muito melhor e o tratamento terá mais chance de sucesso. Se são raras as vezes que as autoridades são dignas de elogio, na minha opinião, esta é uma dessas situações!

Se a medida vai surtir efeito ou não, isto só o tempo dirá, mas, acho que desta vez o Governo do Rio de Janeiro acertou!

Fiquem todos em Paz e protegidos!

सुनन्थो भिक्षु

Reverendo SUNANTHÔ BHIKSHÚ