A todos, Namaste!

Raras são as oportunidades que a mídia dá ao Buddhismo para que seja divulgado… Ainda mais raras são as chances que temos de realmente mostrar o que é VERDADEIRO e correto no Buddhismo, porque muitas vezes, por total falta de conhecimento e excesso de confusão mental, os programas e documentários acabam mostrando tolices que PENSAM SER BUDDHISMO ou simplesmente mostram determinado aspecto como um todo…

Uma renomada emissora de TV vem apresentando uma série na qual as principais crenças do Brasil são mostradas por seus representantes religiosos e também o Buddhismo, que não é uma Religião, está presente. No pano de fundo há o símbolo de cada uma dessas crenças, como a cruz, a estrela de David, o Livro dos Espíritos etc. No Buddhismo, onde a RODA DO DHARMA é símbolo universal, o pano de fundo mostra algo que, com muito esforço e boa vontade do espectador, poderia ser identificado como uma MANDALA, usada especificamente nas Tradições Tibetanas e, portanto, não representando o Buddhismo como um todo!

Tomar o particular como sendo o TODO é um erro grave porque, em vez de esclarecer – LIMITA. Ao usarmos termos como NO BUDDHISMO FAZEMOS ISSO OU AQUILO, ou NÓS BUDDHISTAS SOMOS ASSIM OU ASSADO, devemos ter muita cautela porque, com raríssimas exceções do ENSINAMENTO FUNDAMENTAL DO BUDDHA, todo o resto é variável, já que há inúmeros aspectos sócio-culturais que foram acrescentados ao Buddhismo, tornando as Tradições Buddhistas totalmente diferentes entre si!

Afirmar, por exemplo que ‘NO BUDDHISMO PRATICAMENTE NÃO TEMOS RITUAIS, MAS FAZEMOS PROSTRAÇÕES PARA COMBATER OS CINCO VENENOS”  (sem nem ao menos mencionar quais são – 1. apego ou desejo /  2. aversão, gerando raiva e agressão / 3. ignorância / 4. orgulho ou  arrogância  e  5. inveja) é tomar o particular como o todo, não condizendo com a realidade!

Nas diferentes Tradições Buddhistas há INÚMEROS rituais, muitos deles levam até mesmo horas! As tradições chinesas são riquíssimas nesta particularidade e há rituais em homenagem aos Bodhisattvas, realizados mensalmente, de acordo com o Calendário Lunar, Ritual da Manhã e Ritual da Noite (ambos com mais de 45 minutos de duração), Rituais dos Antepassados, com muito incenso, uma quantidade enorme de oferendas de comida e o ponto culminante, onde são queimados papéis com os nomes dos antepassados de cada família – prática totalmente herdada do Confucionismo e Taoismo. Esse ritual chega a SEIS HORAS de duração…

Mesmo na Tradição Theravada, à qual pertenço, há vários rituais, ainda que bem menos e mais curtos que nas outras Tradições. O PÚJA DA MANHÃ e PÚJA DA NOITE são realizados diariamente e a presença de todos os monges é OBRIGATÓRIA a ponto de haver uma lista de chamada, com o nome de todos os residentes do templo e nós monges temos um número máximo de 3 faltas por mes. Quando excedido este número, o nome do faltoso é levado ao conhecimento do Abade, que o chama para saber a razão da negligência na prática.

Cabe acrescentar que a prática de prostrações não existe na Tradição Theravada, onde os métodos de Purificação Mental são diferentes, pois o próprio Buddha nunca se referiu às prostrações… Assim, conforme eu mencionei, é muito importante que haja cautela ao falar sobre Buddhismo na mídia. Devemos sempre ser imparciais e deixar bem claro que há várias expressões culturais que não caracterizam o Buddhismo como um todo, procurar esclarecer tudo à luz do Ensinamento Original e nunca falar como porta-voz do Buddhismo, já que isto seria impossível.

Usar a mídia para esclarecer e não para confundir deve ser o objetivo de quem tem a rara chance de usar os meios de comunicação para difundir algo tão importante, profundo e sério – o Dharma, conforme nos foi deixado pelo Buddha!

Fiquem todos em Paz e protegidos!

सुनन्थो भिक्षु

Reverendo SUNANTHÔ BHIKSHÚ