२५५४ ०७ ०६ Budhavár 2554-07-06

A todos, नमस्ते!

 Venerável AJAHN CHAH (อาจารย์ชา se pronuncia “ADJÁN TCHÁ” e significa “Mestre Chá” – 17 Junho 1918 – 16 Janeiro 1992) foi, com certeza, o maior e mais famoso mestre do Budismo Theravada. Nascido e criado perto de Ubôn Ratchathaní no nordeste da Tailândia, na chamada região ISSÁN, berço de grandes mestres que se formaram perambulando por florestas cheias de tigres e cobras venenosas, Ajahn Chah foi encaminhado pelos pais, plantadores de arroz, para um mosteiro, onde aprendeu somente a ler e escrever. Nunca frequentou uma Universidade, nunca pensou em morar na cidade grande e sempre viveu na simplicidade dos “templos de floresta” (chamados Wat Pah, em tailandês). Foi discípulo do “temível” e rigoroso AJAHN MUN (“mân”) e durante sete anos viveu ao relento, procurando abrigo em cavernas, dormindo debaixo de árvores nas perigosas matas fechadas das montanhas tailandesas.

Com seu modo peculiar e todo especial de ensinar o Dharma, às vezes em tailandês, mas geralmente no dialeto Issán, típico do nordeste tailandês, sempre usou como exemplos “estrume de vaca”, “cocô de galinha”, “plantações de arroz” e tantos outros elementos rurais, do universo onde viveu. Rude e direto em seu modo de falar, costumava chocar as pessoas educadas e sofisticadas de todas as partes do mundo que o procuravam em busca de Ensinamento…

Apesar de tão tipicamente tailandês, foi dele a iniciativa de fundar templos unicamente destinados ao treinamento de monges ocidentais, tornando-se um precursor desta idéia! Treinou o Venerável AJAHN SUMEDHÔ, norte americano, depois seu colega de manto, o também famoso AJAHN BRAHMAVAMSÔ (mais conhecido como Ajahn Brahm), inglês e tantos outros monges, de vários países do mundo, treinados no Wat Pah Pong e, posteriormente no WAT PAH NANACHAT (significa Templo Internacional de Floresta) onde também passei um tempo.

Inúmeras são os fatos e estórias narrados sobre o velho mestre que tem seus vários livros traduzidos em muitos idiomas e é referência no mundo todo como divulgador do Dharma verdadeiro e simples, do modo como deve ser.

Mais de um milhão de pessoas, incluindo a Família Real da Tailândia, compareceram ao seu funeral. Daqui por diante, procurarei citar mais o Venerável AJAHN CHAH, aproveitando a permissão que recebi ainda na Tailândia,  diretamente de seu discípulo, o Ven. Ajahn Brahm, do qual tenho a honra de ser amigo, para traduzir para o nosso idioma a obra do grande mestre. O texto abaixo é apenas o primeiro de muitos que virão e a tradução NÃO é de minha autoria:

“Acerca desta mente… Na verdade não existe nada de errado com ela. Ela é essencialmente pura. Dentro de si mesma ela já está em paz. Que a mente não esteja em paz nestes dias é porque ela se deixa levar pelos humores. A mente real não tem nada a ver com isso, é simplesmente (um aspecto da) Natureza. Ela se torna pacífica ou agitada porque os humores a enganam. A mente que não é treinada, é estúpida. As sensações surgem e a ludibriam com a alegria, sofrimento, felicidade e tristeza, mas a verdadeira natureza da mente não é nenhuma dessas coisas. Essa alegria ou tristeza não é a mente mas somente um humor que surge para nos enganar. A mente que não é treinada se perde e segue atrás dessas coisas, esquece de si mesma. Então pensamos que somos nós que estamos preocupados ou tranqüilos ou o que quer que seja.

Mas na realidade essa nossa mente já está imóvel e tranquila…realmente tranquila! Tal como uma folha que está imóvel até que o vento a sopre. Se o vento surge a folha se agita. A agitação se deve ao vento – a agitação se deve a essas sensações; a mente as segue. Se ela não as segue, não ficará agitada. Se conhecemos a verdadeira natureza das sensações, não ficaremos agitados.

A nossa prática é simplesmente ver a Mente Original. Dessa forma precisamos treinar a mente a conhecer essas sensações e a não se deixar levar por elas. Fazer com que tudo esteja em paz. É somente esse o objetivo desta difícil prática que estamos empreendendo.”

AJAHN CHAH

O Venerável Grande Mestre AJAHN CHAH