२५५४ ०७ ०६ Budhavár 2554-07-06

A todos, Namaste!

 superstição faz parte da história do ser humano. Desde os tempos pré-históricos, com medo das forças da natureza, o homem começou a se “armar” com amuletos, rezas, talismãs e todo tipo de objetos e práticas para se sentir seguro. Com o passar do tempo, em vez de abandonar tais hábitos, à medida que evoluía em inteligência, passou a confiar em figuras “superiores” aos demais, às quais atribuíram poderes mágicos e capacidade de intermediação entre os “humanos comuns” e os deuses. Assim, pajés, xamãs, sacerdotes e todo tipo de líderes religiosos foram surgindo e se firmando como imprescindíveis nas sociedades tribais e, posteriormente, em todos as culturas e locais do mundo!

O Buddha sempre foi contra esse tipo de coisa e, o tempo todo afirmou que nós monges, mesmo que consigamos poderes sobrenaturais através da prática meditativa, somos expressamente proibidos de fazer demonstrações paranormais seja por que motivo! Isto deveria ser suficiente para que não houvesse superstição dentro do Buddhismo, mas, lamentavelmente, isto não ocorre! O fato é que o Buddhismo asiático está repleto de todo tipo de tolice supersticiosa e, não só os leigos mas, principalmente os monges praticam e incentivam a continuidade de práticas absurdas e ilusivas dentro do que deveria ser o puro e verdadeiro Ensinamento do Buddha!

É comum ver árvores nos jardins dos templos totalmente enroladas com fitas coloridas e com as raízes cobertas de oferendas, velas, copos com água e pequenas imagens de gênios e seres mágicos. Supostamente morada de entidades mágicas, segundo as antigas crenças dos tailandeses e laosianos, as práticas de identificar tais árvores através de rituais de magia continuam presentes na sociedade daqueles países!

Também é comum que os próprios monges façam tatuagens, em si próprios, nos leigos e também nos noviços e muitos deles têm os corpos completamente cobertos com tatuagens estranhas, letras, números e símbolos mágicos que, segundo a crença local, servem para “fechar o corpo” contra mau olhado e, ainda mais, creem que tais desenhos chegam a tornar o corpo à prova de balas!!

Mais condenável ainda é o fato de muitos templos usarem a ignorância e ingenuidade de turistas e do povo em geral para faturar dinheiro através de caixas de doações espalhadas estrategicamente pelos salões onde as pessoas visitam, conforme vocês podem ver nas fotos que divulgarei abaixo.

É muito importante que nada disso venha poluir o Dharma transmitido no Brasil. Nada disso é Buddhismo verdadeiro e, a mim como monge, cabe ser energicamente contra essas tolices que, uma vez infiltradas no Ensinamento Original do Buddha, dificilmente pode ser retirada, como um câncer que se apodera do organismo e o destrói silenciosamente! Toda e qualquer superstição limita, obstrui o entendimento, escraviza e alimenta a ignorância, deixando as pessoas inseguras e amedrontadas, com dificuldades de tomar decisões sem a orientação de seus videntes e sem a “proteção” de seus amuletos. Portanto, a superstição é o caminho contrário ao Ensinamento do Buddha, porque o Dharma existe para LIBERAR NOSSAS MENTES, para nos tornar independentes e confiantes em nós mesmos como única proteção! Assim, peço a todos que, sempre que tiverem dúvida sobre alguma prática, se ela é fundamentada em algum Ensinamento ou mera tolice supersticiosa, não deixem de me consultar para os esclarecimentos necessários. Abaixo, seguem fotos que eu mesmo tirei de alguns templos tailandeses de Tradição Theravada. Em uma delas, há um armário onde se vê deuses taoístas – o deus do dinheiro e prosperidade, a deusa do hinduísmo que chama o dinheiro e várias imagens de buddha. Outra imagem mostra um gênio protetor contra maus espíritos, com uma pequena foto do Buddha junto a ele. Em outras, as legendas das caixas de coleta de doações dizem que quem fizer doação àquela imagem do Buddha terá o corpo forte e outra, ainda, chega a dizer “DEUS ABENÇOE” a quem fizer doação àquela imagem! Vejam e comprovem por si próprios:

Deuses Taoístas e Hindús se misturam a imagens do Buddha no armário de um templo Theravada…

“Ano do Tigre. Quem prestar adoração à imagem deste buddha terá muitos méritos e inteligência. Que Deus os abençoe” (?!?)

“Um corpo forte e um alto posto na sociedade para quem prestar adoração ao buddha do ano da serpente!!!”

Um gênio protetor contra maus espíritos, cheio de oferendas e uma pequena foto do Buddha, ao fundo…