२५५४ ०८ ञ्५ Sombár 2554-08-15

A todos, Namaste!

Quando somos famosos, somos queridos, todos se acercam de nós! Não falta quem nos carregue as malas, quem abra para nós as portas, quem puxe para nós a cadeira para sentarmos confortavelmente… Todos querem nosso autógrafo, nossa foto, se possível aparecer ao nosso lado na foto ou, melhor ainda, um vídeo conosco no Facebook!

Quando a fama se vai e, por algum motivo, justo ou não, caímos em “desgraça”, todos se afastam de nós, como se tivéssemos alguma doença gravemente contagiosa. É como um desodorante vencido, como um mau-hálito, como um fedor que afastasse tudo e todos. Aquele do qual nos aproximamos, invariavelmente  diz: “vou até ali e depois a gente conversa”… Os que realmente conversam, discretamente olham para os lados, para terem certeza de que ninguém os está vendo em má companhia…

Efêmera é a fama e o Buddha tantas vezes nos alertou quanto aos perigos que ela traz…

सुनन्थो भिक्षु

Vantê SUNANTHÔ BHIKSHÚ