Sukrabár 2554-09–09

A todos, Namaste!

este Sutra, o Buddha explica ao Ven. Ánanda como um praticante dos seus Ensinamentos consegue desenvolver as Faculdades Mentais, estabelecendo, através da Atenção Plena, uma mente equânime e desprovida de conceitos.

INDRÍYA BHÁVANA SUTRA

(O SUTRA DO SURGIMENTO DAS FACULDADES MENTAIS)

Traduzido do Inglês em linguagem simples e explicado entre parênteses

pelo Vantê SUNANTHÔ BHIKSHÚ

Fonte: Access to Insight

 Assim me foi transmitido oralmente. Certa ocasião o Bhagaván estava passando um tempo com os Kadjjangálas, no Bosque de Bambu (doado pelo Rei Bimbissára). Então um jovem brahman (praticante do Hinduísmo), chamado Uttára, aluno do mestre Parassíri (ou Parassívi) aproximou-se do Bhagaván, trocou com ele cumprimentos formais e amigáveis e, terminados os cumprimentos, sentou-se na posição que demonstra respeito.

Vendo-o ali sentado, o Buddha perguntou: “Uttára, o brahman Parassíri ensina aos seguidores dele sobre o Surgimento das Faculdades Mentais?”

– Sim,  Venerável Gáutam, ele ensina.”

– E como ensina ele a seus seguidores sobre o Surgimento das Faculdades Mentais?

– É o caso onde alguém não vê as formas com o olho, nem ouve os sons com os ouvidos. É assim que o brahman Panassíri ensina a seus seguidores sobre o Surgimento das Faculdades Mentais.

– Se for esse o caso, Uttára, então, num cego terá surgido as faculdades mentais e num surdo terão surgido as faculdades mentais, de acordo com o ensinamento do brahman Panassíri. Porque uma pessoa cega não vê as formas com o olho e uma pessoa cega não ouve os sons com o ouvido.

Ao ouvir essas palavras, o jovem brahman Uttára ficou em silêncio e envergonhado, seus ombros caídos, sua cabeça baixa, constrangido e sem palavras. O Bhagaván, notando que Uttára estava ali sentado, em silêncio, de ombros baixos, cabeça baixa, constrangido e sem palavras, disse ao Ven. Ánanda (primo e atendente pessoal do Buddha): “Ánanda, o Surgimento das Faculdades Mentais ensinado pelo brahman Panassíri é uma coisa, mas, o insuperável Surgimento das Faculdades Mentais ensinado aos nobres discípulos do Bhagaván é algo inteiramente diferente.”

– Agora é o momento, Oh Bhagaván. Agora é o momento, do Tathágata, do Bhagaván ensinar o insuperável Surgimento das Faculdades Mentais na disciplina dos nobres discípulos do Bhagaván, Tendo ouvido o Ensinamento do Bhavaván, os Bhikshús não esquecerão!

– Neste caso, Ánanda, ouça e preste muita atenção ao que o Tathágata vai falar.

– Assim seja, Vantê. Respondeu Ánanda ao Bhagaván.

 

O Bhagaván disse. “Agora, Ánanda, como é que, na disciplina do nobre seguidor do Bhagaván, ocorre o insuperável Surgimento das Faculdades Mentais? É o caso em que, quando vê as formas com o olho, surge para o Bhikshú o que é agradável, o que é desagradável, o que é agradável e desagradável. Ele reflete: “Esta sensação agradável surgiu em mim, esta sensação desagradável surgiu em mim, esta sensação agradável e desagradável surgiu em mim. Ela é composta (desprovida de individualidade), grosseira, dependente de outros fatores para que surja. Mas isto é pacífico, é especial, a equanimidade (de formação de opinião) surge. Da mesma forma, o Bhikshú reflete sobre a sensação desagradável e sobre a sensação agradável e desagradável, deixando que surja a equanimidade. É como se um homem com boa vista, após fechar os olhos, os abrisse novamente, ou tendo abertos os olhos, os fechasse novamente. Igualmente rápido, com igual velocidade, não importa a que se referem, as sensações agradáveis, as sensações desagradáveis, as sensações agradáveis e desagradáveis surgem e dão lugar à equanimidade. Na disciplina de um discípulo nobre, a isto se chama o insuperável Surgimento das Faculdades Mentais com relação às formas perceptíveis pelo olho.

 

“Em seguida, ao ouvir um som com o ouvido, surge no Bhikshú a sensação agradável, a sensação desagradável, a sensação agradável e desagradável. Ele reflete: “Esta sensação agradável surgiu em mim, esta sensação desagradável surgiu em mim, esta sensação agradável e desagradável surgiu em mim. Ela é composta (desprovida de individualidade), grosseira, dependente de outros fatores para que surja. Mas isto é pacífico, é especial, a equanimidade (de formação de opinião) surge. Da mesma forma, o Bhikshú reflete sobre a sensação desagradável e sobre a sensação agradável e desagradável, deixando que surja a equanimidade. É como se um homem forte pudesse facilmente estalar os dedos. Igualmente rápido, com igual velocidade, não importa a que se referem, as sensações agradáveis, as sensações desagradáveis, as sensações agradáveis e desagradáveis surgem e dão lugar à equanimidade. Na disciplina de um discípulo nobre, a isto se chama o insuperável Surgimento das Faculdades Mentais com relação aos sons perceptíveis pelo ouvido.”

 

“Em seguida, ao cheirar um aroma com o nariz, surge no Bhikshú a sensação agradável, a sensação desagradável, a sensação agradável e desagradável. Ele reflete: “Esta sensação agradável surgiu em mim, esta sensação desagradável surgiu em mim, esta sensação agradável e desagradável surgiu em mim. Ela é composta (desprovida de individualidade), grosseira, dependente de outros fatores para que surja. Mas isto é pacífico, é especial, a equanimidade (de formação de opinião) surge. Da mesma forma, o Bhikshú reflete sobre a sensação desagradável e sobre a sensação agradável e desagradável, deixando que surja a equanimidade. É como se gotas d´água gentilmente rolassem da folha curva de uma flor de lótus, caíssem e nela não mais permanecessem. Igualmente rápido, com igual velocidade, não importa a que se referem, as sensações agradáveis, as sensações desagradáveis, as sensações agradáveis e desagradáveis surgem e dão lugar à equanimidade. Na disciplina de um discípulo nobre, a isto se chama o insuperável Surgimento das Faculdades Mentais com relação aos aromas perceptíveis pelo nariz.”

 

“Em seguida, ao provar um sabor com a língua, surge no Bhikshú a sensação agradável, a sensação desagradável, a sensação agradável e desagradável. Ele reflete: “Esta sensação agradável surgiu em mim, esta sensação desagradável surgiu em mim, esta sensação agradável e desagradável surgiu em mim. Ela é composta (desprovida de individualidade), grosseira, dependente de outros fatores para que surja. Mas isto é pacífico, é especial, a equanimidade (de formação de opinião) surge. Da mesma forma, o Bhikshú reflete sobre a sensação desagradável e sobre a sensação agradável e desagradável, deixando que surja a equanimidade. É como se um homem forte pudesse facilmente cuspir uma bola de saliva que estava na ponta de sua língua. Igualmente rápido, com igual velocidade, não importa a que se referem, as sensações agradáveis, as sensações desagradáveis, as sensações agradáveis e desagradáveis surgem e dão lugar à equanimidade. Na disciplina de um discípulo nobre, a isto se chama o insuperável Surgimento das Faculdades Mentais com relação aos sabores perceptíveis pela língua.”

 

“Em seguida, ao sentir uma sensação do tato no corpo, surge no Bhikshú a sensação agradável, a sensação desagradável, a sensação agradável e desagradável. Ele reflete: “Esta sensação agradável surgiu em mim, esta sensação desagradável surgiu em mim, esta sensação agradável e desagradável surgiu em mim. Ela é composta (desprovida de individualidade), grosseira, dependente de outros fatores para que surja. Mas isto é pacífico, é especial, a equanimidade (de formação de opinião) surge. Da mesma forma, o Bhikshú reflete sobre a sensação desagradável e sobre a sensação agradável e desagradável, deixando que surja a equanimidade. É como se um homem forte pudesse, com facilidade, estender seu braço e, em seguida, flexioná-lo novamente. Igualmente rápido, com igual velocidade, não importa a que se referem, as sensações agradáveis, as sensações desagradáveis, as sensações agradáveis e desagradáveis surgem e dão lugar à equanimidade. Na disciplina de um discípulo nobre, a isto se chama o insuperável Surgimento das Faculdades Mentais com relação às sensações do corpo perceptíveis pelo tato.”

 

“Em seguida, ao formular um pensamento, através da mente, surge no Bhikshú a sensação agradável, a sensação desagradável, a sensação agradável e desagradável. Ele reflete: “Esta sensação agradável surgiu em mim, esta sensação desagradável surgiu em mim, esta sensação agradável e desagradável surgiu em mim. Ela é composta (desprovida de individualidade), grosseira, dependente de outros fatores para que surja. Mas isto é pacífico, é especial, a equanimidade (de formação de opinião) surge. Da mesma forma, o Bhikshú reflete sobre a sensação desagradável e sobre a sensação agradável e desagradável, deixando que surja a equanimidade. É como se um homem forte deixasse cair duas ou três gotas d´água numa panela de ferro que foi aquecida o dia todo. Lento seria o cair das gotas mas, então, rapidamente elas se evaporam e desaparecem. Igualmente rápido, com igual velocidade, não importa a que se referem, as sensações agradáveis, as sensações desagradáveis, as sensações agradáveis e desagradáveis surgem e dão lugar à equanimidade. Na disciplina de um discípulo nobre, a isto se chama o insuperável Surgimento das Faculdades Mentais com relação aos pensamentos reconhecíveis pela mente.”

 

 “E como é a pessoa em treinamento, alguém que siga este método? É o caso de quando vê uma forma com o olho, surge no Bhikshú o que é agradável, o que é desagradável, o que é agradável e desagradável. Ele se sente horrorizado, humilhado, enojado com a coisa agradável, ele se sente horrorizado, humilhado, enojado, com a coisa desagradável. Ele se sente horrorizado, humilhado, enojado com a coisa agradável e desagradável.”

 

“Ao ouvir um som com o ouvido, surge no Bhikshú o que é agradável, o que é desagradável, o que é agradável e desagradável. Ele se sente horrorizado, humilhado, enojado com a coisa agradável, ele se sente horrorizado, humilhado, enojado, com a coisa desagradável. Ele se sente horrorizado, humilhado, enojado com a coisa agradável e desagradável.”

 

“Ao cheirar um aroma com o nariz, surge no Bhikshú o que é agradável, o que é desagradável, o que é agradável e desagradável. Ele se sente horrorizado, humilhado, enojado com a coisa agradável, ele se sente horrorizado, humilhado, enojado, com a coisa desagradável. Ele se sente horrorizado, humilhado, enojado com a coisa agradável e desagradável.”

 

“Ao provar um sabor com a língua, surge no Bhikshú o que é agradável, o que é desagradável, o que é agradável e desagradável. Ele se sente horrorizado, humilhado, enojado com a coisa agradável, ele se sente horrorizado, humilhado, enojado, com a coisa desagradável. Ele se sente horrorizado, humilhado, enojado com a coisa agradável e desagradável.”

 

“Ao perceber uma sensação do corpo através do tato, surge no Bhikshú o que é agradável, o que é desagradável, o que é agradável e desagradável. Ele se sente horrorizado, humilhado, enojado com a coisa agradável, ele se sente horrorizado, humilhado, enojado, com a coisa desagradável. Ele se sente horrorizado, humilhado, enojado com a coisa agradável e desagradável.”

 

“Ao formular um pensamento através da mente, surge no Bhikshú o que é agradável, o que é desagradável, o que é agradável e desagradável. Ele se sente horrorizado, humilhado, enojado com a coisa agradável, ele se sente horrorizado, humilhado, enojado, com a coisa desagradável. Ele se sente horrorizado, humilhado, enojado com a coisa agradável e desagradável.”

 

“É assim uma pessoa em treinamento, é assim uma pessoa seguindo este método.”

 

“E como é a pessoa de atitudes nobres onde as Faculdades já surgiram? É o caso de, ao ver uma forma com o olho, surge no Bhikshú uma sensação agradável, surge uma sensação desagradável, surge uma sensação agradável e desagradável. Se ele assim quiser, permanecerá  ciente da repugnância daquilo que é repugnante. Se quiser, permanecerá ciente da não-repugnância do que é repugnante. Se quiser, ele permanecerá ciente do que é repugnante e do que não é. Se quiser, permanecerá ciente da repugnância e não-repugnância, mantendo-se indiferente a ambos, alerta, com a mente em Atenção Plena.”

 

“Ao ouvir um som com o ouvido, surge no Bhikshú uma sensação agradável, surge uma sensação desagradável, surge uma sensação agradável e desagradável. Se ele assim quiser, permanecerá  ciente da repugnância daquilo que é repugnante. Se quiser, permanecerá ciente da não-repugnância do que é repugnante. Se quiser, ele permanecerá ciente do que é repugnante e do que não é. Se quiser, permanecerá ciente da repugnância e não-repugnância, mantendo-se indiferente a ambos, alerta, com a mente em Atenção Plena.”

 

“Ao cheirar um aroma com o nariz, surge no Bhikshú uma sensação agradável, surge uma sensação desagradável, surge uma sensação agradável e desagradável. Se ele assim quiser, permanecerá  ciente da repugnância daquilo que é repugnante. Se quiser, permanecerá ciente da não-repugnância do que é repugnante. Se quiser, ele permanecerá ciente do que é repugnante e do que não é. Se quiser, permanecerá ciente da repugnância e não-repugnância, mantendo-se indiferente a ambos, alerta, com a mente em Atenção Plena.”

 

“Ao provar um sabor com a língua, surge no Bhikshú uma sensação agradável, surge uma sensação desagradável, surge uma sensação agradável e desagradável. Se ele assim quiser, permanecerá  ciente da repugnância daquilo que é repugnante. Se quiser, permanecerá ciente da não-repugnância do que é repugnante. Se quiser, ele permanecerá ciente do que é repugnante e do que não é. Se quiser, permanecerá ciente da repugnância e não-repugnância, mantendo-se indiferente a ambos, alerta, com a mente em Atenção Plena.”

 

“Ao perceber uma sensação do corpo através do tato, surge no Bhikshú uma sensação agradável, surge uma sensação desagradável, surge uma sensação agradável e desagradável. Se ele assim quiser, permanecerá  ciente da repugnância daquilo que é repugnante. Se quiser, permanecerá ciente da não-repugnância do que é repugnante. Se quiser, ele permanecerá ciente do que é repugnante e do que não é. Se quiser, permanecerá ciente da repugnância e não-repugnância, mantendo-se indiferente a ambos, alerta, com a mente em Atenção Plena.”

 

“Ao formular um pensamento através da mente, surge no Bhikshú uma sensação agradável, surge uma sensação desagradável, surge uma sensação agradável e desagradável. Se ele assim quiser, permanecerá  ciente da repugnância daquilo que é repugnante. Se quiser, permanecerá ciente da não-repugnância do que é repugnante. Se quiser, ele permanecerá ciente do que é repugnante e do que não é. Se quiser, permanecerá ciente da repugnância e não-repugnância, mantendo-se indiferente a ambos, alerta, com a mente em Atenção Plena.”

 

“É assim que surgem num praticante das atitudes nobres as insuperáveis Faculdades Mentais.”

 

“Assim, Ánanda, acabei de ensinar o insuperável surgimento das Faculdades Mentais, na disciplina dos que cultivam atitudes nobres. Ensinei a você como alguém no treinamento disciplinar, alguém seguindo meu método. Ensinei a você como alguém desenvolve as Faculdades Mentais. Qualquer que seja o professor, se ele busca o bem estar de seus discípulos, tem simpatia por eles, faz o melhor por eles. Assim fiz por você. Ali adiante, há árvores com grandes raízes, há locais inabitados. Pratique Jhana (meditação sentada), Ánanda. Não seja desatento, pois mais tarde vai se arrepender. Esta é minha mensagem para todos os seres.”

 

Isto foi o que o Bhagaván disse. Agradecido, o Ven. Ánanda se deliciou com as palavras do Bhagaván.