२५५४ ०९ १५ Bihibár 2554-09-15

 A todos, Namaste!

 ão é novidade que a mente humana é cheia de vontades e devaneios. Não foi à toa que o Buddha a definiu como “O Macaco Louco” e isso já foi explicado várias vezes neste Blog. Para cuidar da mente e fazer com que se torne disciplinada e útil o Buddhismo é o método ideal, eficaz e infalível de treinamento, com várias técnicas que devem ser praticadas constantemente e sempre interligadas, visando o cultivo mental ao longo do Caminho para o fim de Dukkha.

A maior parte das pessoas nem ao menos considera a possibilidade de treinar a própria mente. Para elas, a vida é assim mesmo e temos o direito de fazermos o que quisermos. Parece que o mundo tem obrigação de aturar e aguentar todas as vontades e abusos cometidos pela mente rebelde. Na ótica buddhista, embora a compaixão, a tolerância, o amor equânime e outras virtudes devam ser cultivadas e praticadas, não temos obrigação de aturar constantemente a inconveniência causada pela mente descontrolada dos outros.

Mas, o que pode ser feito para, de modo simples, alguém começar a treinar a mente? Antes mesmo de pensarmos em horas de meditação sentada ou leitura de Sutras e outros textos buddhistas, há coisas mais fáceis que podem facilitar a vida do iniciante no Caminho do Buddha. Muita gente já acorda disposto a ter um MAU dia e, pior que isso – quer que tudo e todos em volta compartilhem de cada um desses maus momentos! Nem é preciso haver um motivo sério ou real para essa pré-disposição. Uma noite mal dormida, uma dor de cabeça, um pesadelo ou dor na coluna… Qualquer coisa pode se tornar uma justificativa para acordar “de pé esquerdo”, como dizem por aí. E os outros que aguentem o mau humor!

Nesses casos, é bastante simples adotar o hábito de, antes de sair da cama chutando tudo o que há pelo caminho, fazer uma pequena pausa para uma prática bastante simples. Vam,os ver:

Comece analisando seu próprio corpo – alguma dor ou mal estar físico? Caso haja, qual a razão? O colchão? O travesseiro? Nem preciso dizer que, se a pessoa bebeu e/ou comeu tudo o que não devia na noite anterior, a ressaca e indigestão, com todas as dores pertinentes já têm uma explicação lógica e inevitável! É preciso que, com sinceridade, a pessoa pergunte a si mesma como está se sentindo, em vez de pular da cama e, ao longo do dia, ficar descontando nos outros problemas que só pertencem a ela mesma!

Diga a si mesmo: ” Bom dia! Como estou hoje? Pronto para mais um dia?” Se notar que algo está lhe incomodando, passe para a etapa de descobrir a causa. Será que foi uma discussão no dia anterior ou um problema que ficou pendente para hoje? Uma crítica que alguém lhe fez e você teve dificuldade em aceitar? Qualquer que seja a razão – tanto física quanto psicológica, não pode se tornar justificativa para estragar SEU dia e o das pessoas à sua volta! Se o problema for físico – dor, mal estar, enjoo etc. a primeira providência é se tratar, bebendo bastante água, indo ao banheiro e, em último caso, tomando o remédio adequado para seus sintomas.

Para os sintomas psicológicos, uma vez diagnosticadas as causas, mantenha em mente que você, lamentavelmente, NÃO é o centro do universo! Há milhões de pessoas com aborrecimentos e Dukkha muito superiores aos seus, portanto, o fato de não estar bem no momento presente não será motivo para infernizar a vida alheia! Nada melhor que uma conversa franca consigo mesmo: “Ok! Eu não estou bem! Fiz isso e aquilo, me aconteceu isso e aquilo, me irritei com isso ou aquilo etc. etc. Mas, não vou deixar que isso estrague meu dia, afinal, tenho muitas coisas importantes a fazer e o melhor é esquecer, deixar para trás esse aborrecimento que já passou! Vou deixar aqui mesmo na cama os problemas e me levantar sem eles, assim, meu dia será melhor e, com calma, na medida do possível, vou usar o dia de hoje para resolver o que puder!”

Esta é uma prática simples, madura, sincera e eficiente. Nos permite conhecer melhor a nós mesmos e evita grandes problemas para a pessoa e, principalmente – para todos os que convivem com ela. É tão simples, que nem mesmo exige que a pessoa seja buddhista! Aliás, todo mundo deveria começar o dia desta forma. Com certeza, uma grande quantidade de problemas seria evitada. No caso, a sugiro como técnica para iniciarmos um bom dia, mas isso não impede que a mesma prática seja utilizada toda vez que, usando da Atenção Plena, nossa grande aliada, façamos as mesmas perguntas a qualquer momento do dia ou da noite, assim que identificarmos o menor sinal de mudança de humor em nós mesmos.

Tente fazer isso, nem que seja só por experiência e, no final do dia, verifique se houve menos estresse em sua rotina. Acima de tudo, Buddhismo é comprovação prática de tudo o que o Buddha (ou o monge, como representante dele), nos aconselha!

Fiquem todos em Paz e protegidos!

 सुनन्थो भिक्षु

 Vantê SUNANTHÔ BHIKSHÚ