TRADUZIDO E REESCRITO EM LINGUAGEM SIMPLES E EXPLICADO

POR VANTÊ SUNANTHÔ BHIKSHÚ

fonte: access to insight

ssim me foi transmitido oralmente. Certa ocasião, o Bhagaván estava em Shrávasthi. Então um certo Bhikshú foi até o Bhagaván e depois de saudá-lo, fazendo três prostrações aos pés dele, sentou-se na posição de demonstrar respeito e disse:

“Vantê, seria bom se o Bhagaván pudesse me ensinar o Dharma de forma resumida, de modo que depois de ouvir o Dharma do Bhagaván eu possa permanecer só, isolado, diligente, ardente e decidido.”

“Bhikshú, buscando o prazer, alguém está preso a Mara*; não buscando o prazer, ele estará livre do Senhor do Mal.”

“Eu compreendo, Bhagaván! Eu Compreendo, Iluminado!”

“E como, Bhikshú, você compreende o que eu disse de forma resumida?”

“Buscando o prazer em relação à forma, Vantê, alguém está preso a Mara; não buscando o prazer em relação à forma ele estará livre do Senhor do Mal. Buscando o prazer em relação à sensação, alguém está preso a Mara; não buscando o prazer em relação à  sensação ele estará livre do Senhor do Mal. Buscando o prazer em relação à percepção alguém está preso a Mara; não buscando o prazer em relação à percepção, alguém está livre do Senhor do Mal. Buscando prazer em relação às formações mentais ele estará livre do Senhor do Mal.  alguém está preso a Mara; não buscando o prazer em relação às formações mentais, alguém estará livre do Senhor do Mal.  Buscando o prazer em relação à consciência, alguém está preso a Mara; não buscando o prazer em relação à consciência, alguém está livre do Senhor do Mal.

“Vantê, assim é como compreendo o significado do que o Bhagaván disse de forma resumida.”

“Muito bem, Bhikshú. É bom que seja assim, que  tenha entendido o significado  do que eu disse de forma resumida. Buscando o prazer em relação à forma, alguém está preso a Mara. Buscando o prazer em relação à sensação, alguém está preso a Mara; não buscando o prazer em relação à  sensação ele estará livre do Senhor do Mal. Buscando o prazer em relação à percepção alguém está preso a Mara; não buscando o prazer em relação à percepção, alguém está livre do Senhor do Mal. Buscando prazer em relação às formações mentais ele estará livre do Senhor do Mal.  alguém está preso a Mara; não buscando o prazer em relação às formações mentais, alguém estará livre do Senhor do Mal.  Buscando o prazer em relação à consciência, alguém está preso a Mara; não buscando o prazer em relação à consciência, alguém está livre do Senhor do Mal. Assim é como o significado em  do que eu disse de forma resumida deve ser entendido.”

Então o Bhikshú, satisfeito e contente com as palavras do Bhagaván levantou-se e depois de reveremciar o Bhagaván, com três prostrações, deu três voltas em torno do Buddha, mantendo sempre o ombro voltado para sua direita e partiu. Depois, permanecendo só, isolado, diligente, ardente e decidido, em pouco tempo, ele alcançou e permaneceu no objetivo sublime da vida do cultivo mental, pelo qual membros de um clã deixam a vida em família pela vida do cultivo mental, tendo conhecido e realizado por si mesmo no aqui e agora. Ele soube: “O nascimento foi destruído, o cultivo mental foi concluído, o que deveria ser feito foi feito, não há mais vir a ser a nenhum estado (está rompido para sempre o ciclo de renascimentos, o Samsara).” E assim ele se tornou mais um dos Arahants (os que atingiram a Iluminação em vida e estão apenas aguardando a morte física, para nunca mais renascerem).

* MARA – Muitas vezes chamado de Rei de todos os Demônios, Senhor do Mal, Rei dos Infernos etc., Mara não é uma pessoa física, mas sim a representação de todos os obstáculos mentais que NÓS MESMOS criamos e que nos afastam da Iluminação.

Na Tradição Buddhista, quando é travada uma batalha entre Siddhartth Gáutam e os exércitos de Mara, na noite em que ocorreu a Iluminação, o que ocorreu na verdade foi a purificação final da mente de Siddharth, permitindo assim que ele, finalmente, se tornasse O BUDDHA.

Vantê SUNANTHÔ BHIKSHÚ