O QUE QUER A MENTE?

e perguntarmos a ela, “coitadinha”, vai responder que só quer paz e sossego, só quer o bem de todos os seres e jamais pensa em maltratar alguém! Sempre se considerando indefesa e injustiçada, a mente vai se fazer de vítima e garantir a todos que é a mais pura e fraca criação do Universo!
Mas, se a observarmos com cautela, como um cientista dissecando uma cobaia, veremos que a coisa não é bem assim. A mente quer bagunça, confusão, música, cores, novidades, sabores, perfumes e muito, muito convite para prazeres físicos e sexuais! Ela gosta de coisas diferentes, é uma novidadeira compulsiva e se cansa rapidamente de tudo o que lhe apresentam! Se gostasse realmente de coisas calmas, tranquilas e estáveis, seria muito fácil ser realmente feliz neste mundo! Como vemos, no entanto, a felicidade parece estar exatamente nas coisas que NÃO temos! A grande maioria das pessoas, sempre acredita que, logo ali adiante, seremos felizes, mas não agora, não ainda…
É assim que a mente age. Ela sempre acha que “falta pouco para alcançar a felicidade”, mas para isso, teremos que buscar isso ou aquilo, mudar, tentar mais ainda, através da compra de coisas novas, de coisas melhores… Mudando a cor do cabelo, fazendo “uma lipo”, implantando cabelos na careca, “malhando” mais um pouco ou, talvez, após a 10ª cirurgia plástica, trocando o carro para o modelo do ano, quem sabe?
Estas são as aspirações da tal “coitadinha” que só quer ser feliz! Mesmo quando encontra um Caminho seguro e confiável para a felicidade duradoura e permanente, a mente encontra um jeito de buscar a diversidade, a novidade, a instabilidade! É o caso das pessoas ao se dizerem buddhistas. Elas não se conformam em seguir apenas uma linhagem! Têm que misturar todas, pondo todas “no mesmo saco” e misturando bastante, porque assim, a mente ficará satisfeita, borboleteando de uma Tradição para outra… Que lindo é o Buddhismo!! Tem Dalai Lama, tem Thich Nhat Hanh, tem Mestre Zen, tem Tantra e Mantra!!!! Programação para a semana toda!! De segunda a sexta, podem frequentar vários grupos, fazer amigos, tomar chá, cantar musiquinhas tão inspiradoras! Melhor ainda é a liberdade que o Buddhismo dá de seguir outras coisas, assim, quando estão cansadas de seguir Buddhismo, podem ir também ao “Hare Krishna” ou algum grupo Esotérico, só para dar uma variada…rsrs
Agora, porém, não é tempo de nada disso! É Carnaval e, como todo buddhista também é “filho de Deus”, todos têm direito de cair na farra, beber, sambar até cair, beijar na boca… Todas essas coisas maravilhosas e que tanto atraem a mente! Passada a folia, então, voltam aos seus Centros de Dharma e o ano continua, afinal, a mente só quer ser feliz… Custe o que custar!
Fiquem em Paz e protegidos!

Vantê SUNANTHÔ BHIKSHÚ