A todos, Namastê!

“AÑJALÍ” –  ALGUNS SEGUNDOS DE ATENÇÃO PLENA

hama-se “Añjalí” o ato de saudar alguém, juntando as palmas das mãos, à altura do peito, baixando levemente a cabeça e, de preferência, com um sorriso, dizer: “Namastê!”

Esse é o padrão indiano de cumprimentar, mas é usado no Nepal, Bangladesh e tantos outros países asiáticos, inclusive a Tailândia. Na outra matéria que está no Blog, expliquei a diferença e forma de uso entre “Namastê!” e “Namaskár!”, sendo o segundo o correto para leigos se referirem a nós monges.

Para os ocidentais, pouco acostumados à formalidade, esse tipo de cumprimento pode se tornar algo casual, como dizer “Oi” ou “Tudo bem?” No dia a dia, a maioria das pessoas usa estas expressões automaticamente, sem qualquer tipo de sentimento ou respeito…

Namastê e Namaskár são um ato de REVERÊNCIA, de homenagem. Ao usarmos este tipo de cumprimento, estamos, por alguns segundos, reverenciando o que há de SAGRADO E PURO na mente do outro ser humano, portanto, devemos usar de Atenção Plena para este tipo de saudação. Se não formos capazes de realmente estarmos presentes, com nossa mente focada no ato, é melhor cumprimentarmos do jeito ocidental, com um simples “Oi” ou equivalente.

Muitas vezes, quando as pessoas me encontram na rua, por falta de conhecimento, dizem: “Oi, monge, tudo bem? Namastê! – acenando com uma das mãos… Obviamente, têm a intenção de serem educadas e simpáticas e eu entendo perfeitamente isto. Porém, se formos capazes de usar o cumprimento do modo correto, estaremos reverenciando a pessoa, sendo reverenciados por ela, em retorno e praticando a Atenção Plena – quanto mais a praticarmos, mais próximos estaremos da Purificação Mental e, consequentemente, Estado Mental do Nirváña.

Um detalhe importante, também relacionado à Atenção Plena, é NÃO cumprimentar com Añjalí alguém que esteja com as mãos ocupadas. Assim, quando ando pela rua, com várias sacolas de supermercado, por exemplo, não é conveniente que me cumprimentem com “Namaskár!”, afinal, trata-se de uma reverência interativa, que merece retorno e não terei como largar tudo no chão e saudar o que há de sagrado dentro de quem me cumprimentou.

Fiquem todos em Paz e protegidos!

 Vantê SUNANTHÔ BHIKSHÚ