A todos, Namastê!

A MATEMÁTICA DA GENEROSIDADE

a ótica Buddhista, o que nos prende às sucessivas vidas neste mundo, renascendo como prisioneiros de um ciclo contínuo, é principalmente o APEGO às coisas materiais. O Buddha sempre enfatizou a necessidade de não nos apegarmos tanto àquilo que conseguimos ter, pois tudo, absolutamente tudo o que temos é passageiro, impermanente e sujeito a desaparecer.

A prática da GENEROSIDADE é um contínuo exercício do desapego, portanto, um meio hábil de nos conduzir à Iluminação. Há diversas formas de sermos generosos, porém, o próprio Buddha sempre afirmou que quem doa algo a um monge buddhista, é como se doasse ao próprio Buddha, sendo assim a maior das doações, já que nós monges somos a garantia de preservação do Ensinamento do Buddha, a ser transmitido para benefício de todos os seres.

Um dos principais obstáculos para a divulgação do Buddhismo no Brasil é, com certeza, a falta de conscientização das pessoas sobre a necessidade de doações financeiras.

Não vejo como má vontade ou desinteresse o fato das pessoas não doarem. Ao contrário dos asiáticos que, há centenas de anos, desenvolveram a mentalidade de que é NORMAL manterem os Templos Buddhistas com apoio incondicional, nós ocidentais somos condicionados a só pagar por bens de consumo, normalmente com o dinheiro adquirido através de nosso trabalho. Portanto, o ocidental padrão, nem ao menos se lembra que um Templo ou Grupo de Buddhismo necessita de doações constantes para sobreviver. Na verdade, as pessoas não doam nem mesmo para a Igreja Católica e só recentemente vêm desenvolvendo o hábito de fazer doações para as Igrejas Evangélicas, um fenômeno relativamente novo em nossa sociedade.

O fato é que nós monges temos as mesmas necessidades que qualquer outro ser humano… Qualquer que seja o local onde nos instalemos, há contas e taxas a serem pagas e, inevitavelmente, se não houver generosas doações, não há como continuar divulgando o Buddhismo no país.

É compreensível que as pessoas pensem: “Eu já tenho minha família, minha casa e muitas despesas! Não tenho condições de sustentar sozinho um Templo Buddhista!” É exatamente aí que cabe uma explicação. Não se trata de apenas uma ou duas pessoas arcarem sozinhas com as despesas do Templo! Obviamente isso é inviável e por demais oneroso! Porém, se conseguíssemos, gradativamente, conscientizar todas as pessoas a doarem, mensalmente, uma PEQUENA QUANTIA, como R$20 ou R$30, sem que isso ficasse pesado para ninguém, teríamos todas as despesas do Templo pagas. Isso é matematicamente provável, não é demagogia nem milagre!

Melhor ainda seria se, cada pessoa que vem se beneficiando do Ensinamento do Buddha, divulgasse as mensagens para mais e mais pessoas, sempre acrescentando uma explicação sobre a necessidade de doações financeiras, por menores que sejam! Assim, num efeito multiplicador, o Templo estaria, não só devidamente provido, mas também em condições de manter em crescimento um caixa emergencial. Desta forma, o Projeto Dhamma Vihara, que tem como objetivo ajudar pessoas carentes, poderia finalmente ser iniciado. Na situação atual, mal tenho como me manter, portanto, é totalmente inviável pensar em atuar na área social.

Os que se sentirem motivados a fazer doações de alimentos e/ou financeiras, podem ir diretamente à casa onde estou instalado – Rua Alziro Torres Filho – 255, a rua de acesso ao Lago São Bernardo. Para doações à distância, o Blog tem um sistema próprio (Paypal) para doações de qualquer valor. Sua generosidade é fundamental e qualquer valor doado é igualmente importante!

Fiquem todos em Paz e protegidos!

भन्ते सुनन्थो भिक्षु

Vantê SUNANTHÔ BHIKSHÚ