março 2012


Samyutta Nikaya XXXV.28

Adittapariyáya Sutra

O Ensinamento sobre a Chama das Paixões

 Traduzido para o Português em Linguagem Simples

e com explicações entre parênteses

Por Vantê SUNANTHÔ BHIKSHÚ

 Assim me foi transmitido oralmente (एवं मया श्रुतम्) .

m certa ocasião, o Bhagaván estava em Gaya, em Gayassissa, com 1.000 Bhikshús. Lá se dirigiu aos Monges: “Bhikshús, o todo está em chamas. E qual é esse todo que está em chamas? O olho está em chamas, as formas estão em chamas, a consciência no olho está em chamas, o contato no olho está em chamas, e qualquer sensação que surja tendo o contato no olho como condição – quer seja prazerosa, dolorosa ou nem prazerosa, nem dolorosa – isso também estáem chamas. Em chamas com o que? Em chamas com o fogo da cobiça, o fogo da aversão, o fogo da delusão. Em chamas, eu lhes digo, com o nascimento, envelhecimento e morte, com a tristeza, lamentação, dor, angústia e desespero.

“O ouvido está em chamas, os sons estão em chamas, a consciência no ouvido está em chamas, o contato no ouvido está em chamas, e qualquer sensação que surja tendo o contato no ouvido como condição – quer seja prazerosa, dolorosa ou nem prazerosa, nem dolorosa – isso também está em chamas. Em chamas com o que? Em chamas com o fogo da cobiça, o fogo da aversão, o fogo da delusão. Em chamas, eu lhes digo, com o nascimento, envelhecimento e morte, com a tristeza, lamentação, dor, angústia e desespero.

“O nariz está em chamas, os aromas estão em chamas, a consciência no nariz está em chamas, o contato no nariz está em chamas, e qualquer sensação que surja tendo o contato no nariz como condição – quer seja prazerosa, dolorosa ou nem prazerosa, nem dolorosa – isso também está em chamas. Em chamas com o que? Em chamas com o fogo da cobiça, o fogo da aversão, o fogo da delusão. Em chamas, eu lhes digo, com o nascimento, envelhecimento e morte, com a tristeza, lamentação, dor, angústia e desespero.

“A língua está em chamas, os sabores estão em chamas, a consciência na língua está em chamas, o contato na língua está em chamas, e qualquer sensação que surja tendo o contato no olho como condição – quer seja prazerosa, dolorosa ou nem prazerosa, nem dolorosa – isso também está em chamas. Em chamas com o que? Em chamas com o fogo da cobiça, o fogo da aversão, o fogo da delusão. Em chamas, eu lhes digo, com o nascimento, envelhecimento e morte, com a tristeza, lamentação, dor, angústia e desespero.

“O corpo está em chamas, as sensações táteis estão em chamas, a consciência no corpo está em chamas, o contato no corpo está em chamas, e qualquer sensação que surja tendo o contato no corpo como condição – quer seja prazerosa, dolorosa ou nem prazerosa, nem dolorosa – isso também está em chamas. Em chamas com o que? Em chamas com o fogo da cobiça, o fogo da aversão, o fogo da delusão. Em chamas, eu lhes digo, com o nascimento, envelhecimento e morte, com a tristeza, lamentação, dor, angústia e desespero.

“A mente está em chamas, os objetos mentais estão em chamas, a consciência na mente está em chamas, o contato na mente está em chamas, e qualquer sensação que surja tendo o contato na mente como condição – quer seja prazerosa, dolorosa ou nem prazerosa, nem dolorosa. Em chamas com o que? Em chamas com o fogo da cobiça, o fogo da aversão, o fogo da delusão. Em chamas, eu lhes digo, com o nascimento, envelhecimento e morte, com a tristeza, lamentação, dor, angústia e desespero.

“Vendo desse modo, o nobre discípulo se desencanta com o olho, desencanta com as formas, desencanta com a consciência no olho, desencanta com o contato no olho, desencanta com qualquer sensação que surja na dependência do contato no olho – quer seja prazerosa, dolorosa ou nem prazerosa, nem dolorosa.

“Ele se desencanta com o ouvido, desencanta com as formas, desencanta com a consciência no ouvido, desencanta com o contato no ouvido, desencanta com qualquer sensação que surja na dependência do contato no ouvido – quer seja prazerosa, dolorosa ou nem prazerosa, nem dolorosa.

“Ele se desencanta com o nariz, desencanta com os aromas, desencanta com a consciência no nariz, desencanta com o contato no nariz, desencanta com qualquer sensação que surja na dependência do contato no nariz – quer seja prazerosa, dolorosa ou nem prazerosa, nem dolorosa.

“Ele se desencanta com a língua, desencanta com os sabores, desencanta com a consciência na língua, desencanta com o contato na língua, desencanta com qualquer sensação que surja na dependência do contato na língua – quer seja prazerosa, dolorosa ou nem prazerosa, nem dolorosa.

“Ele se desencanta com as sensações táteis, desencanta com os toques, desencanta com a consciência no contato com o corpo, desencanta com o contato no corpo, desencanta com qualquer sensação que surja na dependência do contato no corpo – quer seja prazerosa, dolorosa ou nem prazerosa, nem dolorosa.

“Ele se desencanta com a mente, desencanta com os objetos mentais, desencanta com a consciência na mente, desencanta com o contato na mente, desencanta com qualquer sensação que surja tendo o contato na mente como condição – quer seja prazerosa, dolorosa ou nem prazerosa, nem dolorosa. Desencantado ele se torna desapegado. Através do desapego a sua mente é libertada. Quando ela está libertada surge o conhecimento: ‘Libertada.’ Ele compreende que: ‘O nascimento foi destruído, a vida do cultivo mental foi vivida, o que deveria ser feito foi feito, não há mais vir a ser a nenhum estado.’” (não há mais renascimento porque o praticante se libertou, atingindo o Estado Mental do Nirváña.)

Isso foi o que o Bhagaván disse. Os Bhikshús ficaram satisfeitos e contentes com as palavras do Bhagaván. E enquanto o discurso estava sendo proferido, os 1.000 Bhikshús, através do desapego, foram completamente libertados das impurezas.

भन्थो सुनन्थो भिक्षु

Vantê SUNANTHÔ BHIKSHÙ


“Ninguém tem tão pouco a ponto de não poder doar nada. Toda e qualquer doação é fundamental para a continuidade de minha missão no Brasil – informe-se sobre como colaborar.”

 

Anúncios

Itivuttaka 63

Addha Sutra

O Ensinamento sobre a Metade

Traduzido para o Português em Linguagem Simples

com explicações entre parênteses e comentário

Por Vantê SUNANTHÔ BHIKSHÚ

 sto foi dito pelo Bhagaván, dito pelo Arahant, Assim me foi transmitido oralmente (एवं मया श्रुतम्) :

“Há esses três tempos. Quais três?

Tempo passado, tempo futuro e tempo presente. Esses são os três tempos.”

Percebendo em termos de sinais, todos os seres
os interpretam com base em sinais.
Sem os compreenderem completamente, eles
são aprisionados pela morte. (e contínuos renascimentos)

Mas, quando capazes de compreender completamente os sinais,
alguém não forma um significador.
Tocando a libertação com a mente,
o estado de Paz insuperável,
perfeito em relação aos sinais,
em Paz, desfrutando do estado pacífico, (o Estado Mental de Nirváña)    judicioso, aquele que desenvolveu a Sabedoria
faz uso de classificações, mas não pode ser classificado.

MEU COMENTÁRIO: Toda vez que há contato (visual, auditivo, olfativo, palativo, tátil ou mental) com algum objeto dos sentidos – aqui chamados de sinais, a mente se vale de experiências anteriores – as “bases dos sinais”. (veja matéria no Blog sobre as “Portas dos Sentidos”). Quando não temos ciência de que tudo é vazio, impermanente e desprovido de individualidade, deixamos que surja o APEGO no momento do contato. Apego às ideias, apego ao objeto ou apego ao conceito de querer ou rejeitar o “sinal”. Toda vez que há apego, há condição para que continuemos presos ao constante ciclo de renascimentos.

Quando, porém, entendemos que não podemos nos apegar a nada – porque, na verdade nada ou ninguém durará o bastante para ser digno de apego e, com clareza de visão, o contato não faz surgir apego, desenvolvemos na mente, então, a verdadeira Sabedoria – o Estado Mental de Nirváña, livre de todo apego e qualquer conceito de EU e MEU – obtido ainda em vida, que nos liberta para sempre do contínuo ciclo de renascimentos após a morte.

भन्थो सुनन्थो भिक्षु

Vantê SUNANTHÔ BHIKSHÙ

 “Ninguém tem tão pouco a ponto de não poder doar nada. Toda e qualquer doação é fundamental para a continuidade de minha missão no Brasil – informe-se sobre como colaborar.”

 

Anguttara Nikaya I.21,22 – 23,24 – 29,30

Um trecho do Akámmaniya Sutra

O Ensinamento sobre o que é Intratável

Traduzido para o Português em Linguagem Simples,

Por Vantê SUNANTHÔ BHIKSHÚ

u não vejo nenhuma outra coisa, Bhikshús, que seja tão intratável como uma mente não desenvolvida! Uma mente não desenvolvida é de fato intratável.

22. “Eu não vejo nenhuma outra coisa, Bhikshús, que seja tão tratável como uma mente desenvolvida! Uma mente desenvolvida é de fato tratável.

23. “Eu não vejo nenhuma outra coisa, Bhikshús, que conduza a tanto dano como uma mente não desenvolvida! Uma mente não desenvolvida conduz a muito dano.

24. “Eu não vejo nenhuma outra coisa, Bhikshús, que conduza a tanto benefício como uma mente desenvolvida! Uma mente desenvolvida conduz a muito benefício.

29. “Eu não vejo nenhuma outra coisa, Bhikshús, que traga tanto sofrimento como uma mente não desenvolvida. Uma mente não desenvolvida de fato traz muito sofrimento.

30. “Eu não vejo nenhuma outra coisa, Bhikshús, que traga tanta felicidade como uma mente desenvolvida. Uma mente desenvolvida de fato traz muita felicidade.

MEU COMENTÁRIO: Embora seja chamado de Religião, afim de dialogar com as diversas doutrinas religiosas que há no mundo, o Buddhismo é um treinamento sério, poderoso e consistente para que, com muita disciplina, os praticantes possam acalmar, domar e adestrar a mente, evitando seus devaneios e impulsos frenéticos para que ela passe a trabalhar para nós, em vez de fazermos tudo o que nos manda. Assim, além do cultivo das virtudes, ética, moral, não violência, tolerância e respeito a todos os seres, a MEDITAÇÃO é fundamental no Buddhismo, como principal método de treinamento da mente.

A grande parte dos seres vivos, acha que pode ser feliz, se deixando levar por todas as vontades da mente, não vendo necessidade alguma de treiná-la. Já que a mente não tem limites e, voluntariosa e inconstante, está sempre buscando algo novo, a felicidade que as pessoas buscam parece estar sempre um passo a frente, mas nunca onde a pessoa está. Daí a importância e a necessidade da prática buddhista para um treinamento efetivo da mente e, consequentemente, atingirmos uma felicidade real e eterna.

LEMBRO A TODOS QUE, TODOS OS SÁBADOS, DAS 09:30 ÀS 10:30 DA MANHÃ, ESTÁ SENDO REALIZADA A PRÁTICA DE MEDITAÇÃO – O MELHOR E MAIS SEGURO MÉTODO DE TREINAR A MENTE. APÓS A PRÁTICA, HÁ ENSINAMENTOS BUDDHISTAS, PARA OS INTERESSADOS. TODOS SÃO BEM-VINDOS! LOCAL: ESPAÇO HOLÍSTICO SOLAR – AV. JÚLIO DE CASTILHOS, 603 – SL. 30 – SÃO FRANCISCO DE PAULA – RS.

 भन्थो सुनन्थो भिक्षु

Vantê SUNANTHÔ BHIKSHÙ

“Ninguém tem tão pouco a ponto de não poder doar nada. Toda e qualquer doação é fundamental para a continuidade de minha missão no Brasil – informe-se sobre como colaborar.”

Samyutta Nikaya I.41

Aditta Sutra

O Ensinamento sobre o que está Em Chamas

Traduzido para o Português em Linguagem Simples

e com explicações entre parênteses

Por Vantê SUNANTHÔ BHIKSHÚ

Assim me foi transmitido oralmente.

m certa ocasião, o Bhagaván (um dos títulos do Buddha) estava em Shrávathi no Bosque de Jetá (“djetá”), no Jardim doado pelo Milionário Anathapindíka. Então, quando a noite estava bem avançada, uma Deví (ser feminino de outra dimensão, paralela à nossa) com belíssima aparência que iluminou todo o Bosque de Jetá, se aproximou do Bhagaván. Ao se aproximar, o homenageou, fazendo três prostrações e, em seguida, ficando em pé a um lado, disse:

“Quando a casa está em chamas
o balde removido
é aquele que é útil,
não aquele que foi deixado para queimar lá dentro.

“Portanto, quando o mundo arde
com as chamas do envelhecimento e morte,
a pessoa deveria remover sua riqueza sendo generoso:
aquilo que é doado está bem salvo.

“Aquilo que é doado produz bons frutos,
mas não aquilo que não é doado.
Ladrões ou reis roubam-no,
é queimado pelo fogo ou perdido.

“Então, no final ela deixa o corpo
junto com as suas posses.
Ao compreender isso, a pessoa Sábia
deve desfrutar e também doar.
Ao doar e desfrutar de acordo com os seus meios,
incensurável ela segue para o Estado Mental semelhante a um paraíso.”

भन्थो सुनन्थो भिक्षु

Vantê SUNANTHÔ BHIKSHÙ

“Ninguém tem tão pouco a ponto de não poder doar nada. Toda e qualquer doação é fundamental para a continuidade de minha missão no Brasil – informe-se sobre como colaborar.”

 

AMANHÃ, SÁBADO, DIA 17, DAS 09:30 ÀS 10:30 DA MANHÃ, HAVERÁ PRÁTICA DE MEDITAÇÃO, NO ESPAÇO HOLÍSTICO SOLAR – GALERIA CAÁGUAS – CENTRO, SÃO FRANCISCO DE PAULA.

TODOS SÃO BEM-VINDOS, BUDDHISTAS OU NÃO, E NÃO HÁ NECESSIDADE DE CONHECIMENTO PRÉVIO SOBRE MEDITAÇÃO, POIS TUDO SERÁ EXPLICADO, PASSO A PASSO! DIVULGUE E COMPAREÇA!

(A PRÁTICA SERÁ REALIZADA TODOS OS SÁBADOS, NO HORÁRIO ACIMA MENCIONADO)

Vantê SUNANTHÔ BHIKSHÚ

ACIMA: POSTER, VERTICAL, IMAGEM DE EXCELENTE QUALIDADE, IMPORTADO DE TAIWAN. EM CHINÊS/JAPONÊS E SÂNSCRITO A FRASE: “NAMO AMITABHA” – “EU ME ENTREGO À LUZ INFINITA” – POUCAS UNIDADES. VALOR: R$35, NÃO INCLUÍDAS AS DESPESAS DE REMESSA. POUQUÍSSIMAS UNIDADES!

ACIMA: POSTER COM IMAGEM DO BUDDHA EM DOURADO. EXCELENTE QUALIDADE NA IMAGEM! VALOR: R$35, NÃO INCLUÍDA A DESPESA COM REMESSA. POUQUÍSSIMAS UNIDADES! IMPORTADO DE TAIWAN.

 

ABAIXO: BANNER EM MATERIAL ACETINADO, IMPORTADO DE TAIWAN, COM INSCRIÇÃO EM CHINÊS/JAPONÊS – “EU ME ENTREGO À LUZ INFINITA” – PREÇO: R$45, NÃO INCLUÍDAS AS EVENTUAIS DESPESAS DE CORREIO.

À VENDA EM SÃO FRANCISCO DE PAULA – RS. POUCAS UNIDADES.

Samyutta Nikaya XXXVI.14

Ágara Sutra

O Ensinamento sobre A Hospedaria

 Traduzido para o Português em Linguagem Simples

e com explicações entre parênteses

Por Vantê SUNANTHÔ BHIKSHÚ

Assim me foi transmitido oralmente (एवं मया श्रुतम्) .

erta ocasião, o Bhagaván dirigiu-se a seus Monges, dizendo: “Bhikshús, suponham que exista uma hospedaria. Pessoas vindas do leste, do oeste, do norte ou do sul ali se hospedem. Pessoas da casta dos nobres, da casta dos Brahmin (sacerdotes hindús), da casta dos comerciantes e da casta dos trabalhadores ali se hospedem. Da mesma maneira, Bhikshús, neste corpo surgem vários tipos de sensações: surgem sensações prazerosas, surgem sensações dolorosas e surgem sensações nem dolorosas, nem prazerosas; sensações mundanas que são prazerosas, dolorosas ou nem dolorosas, nem prazerosas; sensações não mundanas que são prazerosas, dolorosas ou nem dolorosas, nem prazerosas.”

MEU COMENTÁRIO: Imaginem se o dono de uma hospedaria ou pousada, fosse se envolver emocional e afetivamente com a vida e sentimentos de cada pessoa e família que passa um fim de semana, temporada ou até um longo período em seu estabelecimento? Embora ele tenha que ser educado, gentil e atencioso com cada um dos hóspedes, indiscriminadamente, se passar a se envolver com os problemas e emoções de cada um, sua vida se tornará um grande problema!

Da mesma forma, segundo o exemplo dado pelo Buddha, nossa mente deve agir sem envolvimentos emocionais, sem apegos, a nada que passe por ela. As formações mentais surgem e desaparecem. Alegrias e tristezas, ansiedades, amor, ódio, raiva, felicidade, carinho, vontades, desejos e rejeições, cobiça e tantas outras formações às quais costumamos nos apegar e cultuar como se fossem nossas e, mais que isto, como se fossem permanentes e eternas.

O Caminho para o Estado Mental do Nirváña, passa pelo desapego gradativo, simplesmente observando, com tranquilidade, todo e qualquer sentimento que surja em nossa mente, deixando, rapidamente, que eles se vão, assim como o dono da pousada não pode querer que os hóspedes agradáveis fiquem para sempre, nem que os indesejáveis nunca fiquem na pousada. Ambos sempre virão e irão embora! Fiquem todos em Paz e protegidos!

भन्थो सुनन्थो भिक्षु

Vantê SUNANTHÔ BHIKSHÙ

“Ninguém tem tão pouco a ponto de não poder doar nada. Toda e qualquer doação é fundamental para a continuidade de minha missão no Brasil – informe-se sobre como colaborar.”

 

Próxima Página »