Samyutta Nikaya XXII.150

Ajjhatta Sutra

O Ensinamento sobre o nosso Íntimo

 Traduzido para o Português em Linguagem Simples,

com explicações entre parênteses

Por Vantê SUNANTHÔ BHIKSHÚ

 Assim me foi transmitido oralmente (एवं मया श्रुतम्).

 erta ocasião, em Shrávatthi, disse o Bhagaván (o Buddha) aos seus Monges: “Bhikshús, quando existe o quê, através do apego a quê, devido à adesão a quê, surgem o prazer e a dor no nosso íntimo?”

“Vantê, os nossos Ensinamentos têm o Bhagaván como origem, como guia e como refúgio. Seria bom se o Bhagaván pudesse explicar o significado dessas palavras. Tendo ouvido do Bhagaván, os Bhikshús o recordarão.”

“Quando existe a forma, Bhikshús, através do apego à forma, devido à adesão à forma, o prazer e a dor surgem no nosso íntimo. Quando existe a sensação Bhikshús, através do apego à sensação, devido à adesão à sensação, o prazer e a dor surgem no nosso íntimo. Bhikshús, através do apego à percepção, devido à adesão à percepção, o prazer e a dor surgem no nosso íntimo. Bhikshús, através do apego às formações mentais, devido à adesão às formações mentais, o prazer e a dor surgem no nosso íntimo. Bhikshús devido à consciência, através do apego à consciência, devido à adesão à consciência, o prazer e a dor surgem no nosso íntimo.

“O que vocês pensam, Bhikshús, a forma é permanente ou impermanente?”

“Impermanente, Vantê.”

“E aquilo que é impermanente é Inquietação Mental (DUKKHA, em língua Páli)  ou felicidade?”

“Inquietação Mental, Vantê.”

“Mas sem o apego àquilo que é impermanente, inquietação mental e sujeito a mudanças, o prazer e a dor poderiam surgir no nosso íntimo?”

“Não, Vantê.”

“A sensação é permanente ou impermanente? A percepção é permanente ou impermanente? As formações mentais são permanentes ou impermanentes? A consciência é permanente ou impermanente?”

“Impermanentes, Vantê.”

“E aquilo que é impermanente é inquietação mental ou felicidade?”

“Inquietação Mental, Vantê.”

“Mas sem o apego àquilo que é impermanente, inquietação mental e sujeito a mudanças, o prazer e a dor poderiam surgir no nosso íntimo?”

“Não, Vantê.”

“Vendo dessa forma, o nobre discípulo bem instruído se desencanta com a forma, desencanta com a sensação, desencanta com a percepção, desencanta com as formações, desencanta com a consciência. Desencantado ele se torna desapegado. Através do desapego a sua mente é libertada. Quando ela está libertada surge o conhecimento: ‘Libertada.’ Ele compreende que: ‘O (contínuo ciclo de) nascimento foi destruído, a vida dedicada ao cultivo mental foi vivida, o que deveria ser feito foi feito, não há mais vir a ser a nenhum estado.’” (o praticante do cultivo mental está livre dos renascimentos e atinge o Estado Mental de Nirváña)

भन्थो सुनन्थो भिक्षु

Vantê SUNANTHÔ BHIKSHÙ

“Ninguém tem tão pouco a ponto de não poder doar nada. Toda e qualquer doação é fundamental para a continuidade de minha missão no Brasil – informe-se sobre como colaborar.”